sábado, 1 de janeiro de 2011

Don't leave me alone just let me live on my own.

Os movimentos deles eram prévios a pensamentos e mexiam-se com lentidão, com certa exactidão. A musica varria a sala num tom melodramático, sentaram-se em um sofá velho cor púrpura, sentaram-se numa cadeira branca ferrugenta... Sentaram-se no chão. Dançaram, falaram, observaram e por muito que as suas bocas fossem silencio, nunca eram tédio. Os seus olhos olhavam para as luzes que percorriam a sala, o bar vazio e as suas almas alimentavam-se daquele conforto, daquela perfeita combinação entre espaço, tempo, som e vida. Aquelas pobres alma alimentavam-se de infelicidade, de insanidade e pensamentos sem fim... Aquelas almas dominavam todo os espaço em seu redor, combinavam todos nas suas diferenças e igualdades.
Ele sorriu, o rapaz que se encontrava no chão sorriu... A alma dele transmitia pacificidade, calma, ternura e ao mesmo tempo ilusão, confusão e um certo mistério em quanto a rapariga mais perto dele transmitia infância, inocência, condição e irrealidade. Ao seu lado encontrava-se quem mais transmitia presença, ao seu lado estava ele, o senhor da vida e dos pecados, pobre dele que se deixa levar pela vida, vivendo de argumentos e acasos.
A outra rapariga na ponta do sofá radiava felicidade, não, tenho a certeza que não era felicidade comum, era diferente, pois o máximo de felicidade que essa rapariga consegue dar é essa, é um sorriso e tudo que ela não oferece em felicidade contribui em amor, carinho e compreensão. Em ultimo e não menos importante, estava uma pequena jovem na cadeira branca que observava tudo aquilo com uma enorme fascinação, estava radiante apenas por sentir aquilo, sentir que quem estava ali era muito mais do que aparenta e que ela própria se encaixava no meio daquele caos.
Caos de aparências sem fim e sonhos apagados pelo tempo.

Don't leave me alone just let me live on my own.




In the middle of chaos we found safety.

2 comentários:

  1. às vezes pertencemos a imagens tão perfeitas que o momento em que as vivemos parecem ser a verdadeira felicidade. recorda-las trás-me sempre um enorme sorriso, um enorme sorriso à minha cara já tingida e marcada pelo tempo.

    somos todos personagens, nesse grande filme desfeito em frames ao qual chamamos vida :)

    émmana és a maior <3

    ResponderEliminar
  2. Eu apenas publiquei os dias 27 aha
    Weird ._.

    ResponderEliminar