terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Light that goes...

(...) Light that returns.

Pétala que em vez de cair flutua,
Que não parte, em vez disso continua
Como se a gravidade não a machucasse,
Pequena pétala ensina-me a ser tão bela.
Ensina-me que a gravidade não é uma cela
Que nos limita a cair e a ficar sem sitio para onde ir.


- And it hurts knowing that we're under the same starry sky like once.
I have deleted all my memories but now I want them back. I just want them back, I don't have anymore to say, I just want them back.

I just want them back.


Ouvia os teus passos a vir do fundo, o que tu deves ter sofrido, só penso no que tu deves ter sofrido então sorriu porque não me sobra mais nada a não ser esse arrepio que me faz viver ao te ver sofrer.
Passaram tantos anos desde a última vez que te vi, já fomos pobres crianças a brincar num jardim inventado pela minha fantasia que destruíste ao dizer-me que não era real e que nada à minha volta existia, tinhas razão, tudo se desvaneceu mais tarde e apercebi-me que não era um jardim, era uma sala e que eu estava simplesmente no meio de um tapete enfadonho, mas, tu continuaste lá, mesmo nunca teres tido nascido, continuas-te lá.
Passamos dias a acreditar para nada, apenas ilusão.

Corremos ao vento mais tarde, lembro me eu agora, corremos porque nada disto era real então a morte também não o era, pena ser tarde de mais quando a desafiamos, pena ser tarde de mais para nos arrependermos pois esta sempre foi real, a morte. E a tua? Nunca irá existir pois nunca nasceste, quem me dera que um dia tivesses nascido.
Então arrependemos-nos, viramos costas uma à outra e que saudades tuas.
A morte também fora sempre irreal e que saudades dela.

2 comentários:

  1. As coisas nunca são como nós queremos e quando o são, não tem nada haver com o facto de nos querermos, simplesmente ia ser assim.
    E eu sei que não entraste na minha vida só para me fazeres crescer, sei disso. Não como o sei mas sei. Se calhar apenas seja cedo demais, se calhar não te devia conhecer, não agora. Talvez tudo seja um erro e já é tarde para o remendar... Mas eu não sei, só o tempo o sabe e infelizmente talvez nem ele saiba.
    Também não podia esperar que gostasses de uma pessoa que nem sequer conheces.

    Eu sei, era a única imagem que se adequava. Não entendo as vezes como é que eu sei tanto sobre ti, sei mais do que tu pensar, sei talvez até mais do que eu penso.
    É triste... mas eu estou feliz.

    ResponderEliminar