sábado, 22 de janeiro de 2011

A não tão maravilhosa escola artística soares dos reis.

Escrevi recentemente um texto sobre esta escola no meu fotolog, mas não sinto que chegue, não sinto. Ainda não tinha falado sobre a escola em si mais cedo pois ainda não tinha uma opinião formada.

Esta escola não é assim tão maravilhosa e muito menos artística. Lá criam-se tudo menos verdadeiros artistas, criam-se pessoas formatadas, sem ideias próprias. É tudo muito parecer e pouco ser, as pessoas são tão vulgares. Numa escola onde era suposto sermos livres de preconceitos é onde eu vejo mais preconceito e descriminação.
As pessoas na soares dos reis, não digo todas mas em geral estão lá tudo menos pela a arte, metade delas estão "fritas" e a outra metade formatadas. Onde a liberdade de expressão devia estar em primeiro lugar, é onde me sinto com menos liberdade de expressão e isto nada tem a ver com as aulas, mas sim com o ambiente em geral.
Pessoas que conheci fora da soares e que depois foram para lá mudaram completamente, vejo pessoas que já foram grandes amigas minhas a serem influenciadas pelas aparências e a juntarem-se em grupos medonhos onde quem mais parecer ser o que não é, melhor.
Sinto que se a minha opinião não for igual à maioria muitos irão criticar mesmo que tenha argumentos para a defender, eles não ligam, é como se fosse tudo muito certo e tivessem de seguir certos panoramas para lhes darem certo estatuto.
Não podemos reagir de forma alegre ou espontânea a certas situações. Se o mundo estiver a cair não podemos entrar em pânico se não ui, que bicho de sete cabeças, já não somos superiores.
Mania da superioridade só porque andam na soares, se querem saber andar na soares é a maior MERDA!

Tenho dito.
Um dia espero que aquilo volte a ser uma escola para artistas, para pessoas que são para além de só parecerem, que não vivam de eufemismos estupidos. Esta escola podia ser tanto, em vez disso é uma escola exactamente como as outras onde a aparência ainda é mais importante.

18 comentários:

  1. so true, emmana.
    finalmente alguem que percebe o porque de eu criticar a escola!

    ResponderEliminar
  2. Concordo parcialmente com o que disseste. Sim, o espírito mudou BASTANTE, no entanto, e como tu disseste, existe imensa gente que vale a pena conhecer. Não podes simplesmente criticar a escola porque ela não vai de acordo com o que tu tinhas pensado. Lembro-me perfeitamente de no meu 10º o fundo ter dito a toda a gente que lá não se faziam verdadeiros artistas e isso continua até hoje. Por amor de Deus, como era possível sermos feitos verdadeiros artistas em unicamente 3 anos? Além de que não existe escola no mundo que torne uma pessoa num artista, isso depende da pessoa do que ela quer. Mas bem, é só a minha opinião e cada um pensa o que quer... right? xD

    ResponderEliminar
  3. Pois lá está, o problema Joana é quando as pessoas só não pensam de outra maneira porque não querem ficar mal vistos à frente de outros, opa é uma cambada de hipócritas.
    Faziam-se verdadeiros artistas se alguem estivesse interessado em ser, mas não, estão interessados a não fazer um caralho.
    Mas tens razão, além disso a arte nasce connosco ou um dia acabamos por a encontrar mas quando a nossa cena é não querer saber e só dizer que andamos na soares dos reis (coisa que nunca tive muita vontade de dizer --') para parecer bem, onde é que a arte tem um lugar nisso?

    ResponderEliminar
  4. A Soares dos Reis é uma escola de ensino artístico. Faz o que lhe compete: tentar garantir um emprego que envolva competências técnicas especializadas, neste caso, no domínio da criação artística. Um emprego por definição crua e dura consiste em prestar um determinado serviço -- seja ao próprio, a um contratante, ou a uma instituição -- e em receber um pagamento em troca. E o emprego deve ser o menos tortuoso possível. Não é um passatempo. Os passatempos fazem-se fora do emprego.
    Nem sempre calham os melhores professores, seja na EASR ou noutras escolas. Se os professores são maus, não é deitar as culpas ao professor "ai-tão-mau" -- ou, no caso daqueles que têm poder para tal, pôr-lhes processos em cima -- que vai melhorar alguma coisa. Se queres sobreviver daqui a uns anos, é parar de ser uma florzinha-de-estufa e engolir em seco, por muito injusto que seja.

    Mentaliza-te disto: o mundo NÃO É justo. 26,000 crianças vão morrer à fome hoje. Há um punhado de filhos da puta que se calhar até mereciam estar no lugar delas, e todos eles são sociopatas capitalistas que metem o dinheiro do Estado ao bolso para pagar à puta favorita, ou para comprar o segundo Lamborghini este ano. Sabes em que é que consiste o dinheiro do Estado? Consiste em praticamente metade daquilo que TU vais ganhar daqui a uns anos. Sabes porque é que eles fazem isso? Pela mesma razão pela qual os cães lambem os tomates. Porque podem.
    Ainda achas que a escola é injusta?
    Estive uma década inteira num colégio católico privado, no qual as duas únicas opções eram a rendição ao grupo do silicone ou o pacote completo de isolamento social. Havia uma festa na praia para os finalistas do nono ano. As raparigas "populares" proibiram as "impopulares" de andarem de biquini. Queres melhor? Nem há 4 anos atrás houve uma rapariga que morreu de anorexia. Andava no oitavo ano. Educação Visual? Qual Educação Visual? Só se fosse pintar azulejos.

    Como anarquista, posso dizer-te que o anarquismo e a anarquia são dois conceitos diferentes, Émmana Brint. Se as aulas fossem como tu as idealizas, acabávamos por entrar em argumentação de besta. As escolas serão sempre, inevitavelmente, uma estrutura organizada. A única escola para o anarquismo é o auto-conhecimento e a partilha de ideias entre outros anarquistas. Isto aplica-se também à Arte. Não ao ensino artístico especializado.
    Queres encontrar a tua identidade artística? É que se estás à espera que seja o sistema de ensino a encontrá-la por ti, podes tirar o cavalinho da chuva. Tira um ano sabático. Vai para o meio da montanha. Volta quando tiveres uma resposta.

    Assino este comentário como "Anónimo", não por cobardia, mas porque tu própria mencionaste não querer saber de aparências. Eu sei quem tu és e tu sabes quem eu sou fora do mundo virtual. Mas para que a tua opinião não seja influenciada pela imagem que tu terás assumido de mim, não te digo qual é o meu nome verdadeiro.

    (mas por agora, podes chamar-me Firefox)

    ResponderEliminar
  5. Firefox xD
    Lawl, mas agora a serio eu não me queixo das aulas mas no ambiente, no facto das pessoas andarem lá só para dizerem que andam na soares.
    Flor de estufa para mim é conformar-me com isso, eu sei que tenho de me calar se quero sobreviver, já aprendi isso a algum tempo mas não me consigo conformar com isso, se as coisas estão erradas devemos mudar e não nos conformar, assim nada disto irá mudar.
    Eu ainda hoje falei disso com os meus pais ao almoço, do facto de roubarem dinheiro ao "povo" para pagarem o lamborghini em vez de aplicar em coisas que deviam. Mas as pessoas reclamam e não fazem nada, sei perfeitamente que sozinhos não fazemos grande coisa por isso é que tento apelar para as pessoas se juntarem e manifestarem, tento fazer algo, por mínimo que seja, não me quero conformar e viver numa sociedade onde ninguém gosta, porque raio haveríamos todos de viver duma forma que ninguém gosta? Se ninguém gosta então deveriam mudar isso, sem nos calarmos por medo ou porque é assim, só é assim porque deixamos.
    Sei perfeitamente que o mundo não é justo mas repito não me vou conformar, sou uma enorme inconformação mas não me limito a queixar-me eu quero mudar, eu quando fizer 16 anos quero ir para um partido e na escola falei com um grupo de pessoas que também não estão satisfeitas com muita coisa e ando a tentar arranjar forma de mudar o que não queremos que aquela escola se transforme.
    Quanto a isso, eu já andei em montes de escola, não me iam deixar estar de biquini por alma de que santo? O que tem elas que eu não tenho? Ups, elas provavelmente não têm muita capacidade cerebral, nem estão para aí viradas, lamento, só me fazem sentir mais superior. Isso é o que acontece quando as pessoas não tentam mudar, deixam-se rebaixar firefox, rebaixar? Nunca me rebaixei, se reparares eu não sou própria mente alguém que passe por despercebido, já estive em escolas de betos e até so de gunas, nunca me rebaixei! Nunca mudei quem fui, nunca levei a sério o que me disseram só me fizeram ver o quanto este mundo é miserável, mas eu não me conformei com isso, eu quero mudar isso, toda a gente passa por uma fase que quer mudar o mundo, mas eu já nem digo o mundo, mas mudar as coisas aos poucos, com pequenas diferenças, se desistirmos todos iremos lamentar a vida toda por isto e por aquilo.
    E sim não iremos falar da educação visual, o ensino básico enfim, apoio às artes zero.
    Repito não me estou a queixar das aulas mas dos alunos, que tentam parecer muito quando no fundo não nada, andam lá para dizerem que andam lá como se fosse alguma coisa. Transformam uma escola onde deveríamos ter mais liberdade de expressão numa estúpida aparência social.
    Eu não ando à procura da minha identidade artística basicamente foi crescendo comigo e sinto que todos os dias cresce, o texto não fala disso, fala mais da pena que é muitos lá além de não saberem a sua identidade artística não procurem saber.

    Aceito bem o anonimato, o teu comentário é que abrange muita coisa que não o texto, mas é bom expormos as nossas ideias, espero é que percebas que o texto não se refere as aulas e isso, mas sim à cambada que anda lá sem fazer nada, apenas parecer.

    ResponderEliminar
  6. uma escola formata sempre o formando, ainda para mais uma especializada como a soares dos reis.

    uma boa forma de combate a essa formatação geral é lutar contra a maré e ser azul entre tantos amarelos.

    acredito que a diversidade numa escola é essencial para que a aprendizagem seja completa =)

    ResponderEliminar
  7. sei o bem. mas luta significa vida. quando nos calamos morremos não é?

    ResponderEliminar
  8. Visto ser a primeira vez que venho aqui, digo-te que achei o texto interessante, já que luta, de certa maneira, contra todos os outros que enaltecem a soares. Mas só por isso.

    E o ponto de vista só não é superior aos que lhe fazem frente porque é vindo de ti.
    Pergunto-me, agora, como é possível teres essa posição. E não pergunto isto por te conhecer, aliás, é precisamente por não te conhecer que me questiono, já que a tua imagem de marca é nada mais que um conjunto de aparências contraditórias e quando tu própria dizes que os bens materiais são as melhores coisas na tua vida.

    ResponderEliminar
  9. Tenho pena que não estejas a viver a experiência que eu vivi nos últimos 3 anos.
    Conheci gente fantástica. Conheci as pessoas mais simples que podia imaginar e criei laços muito fortes com colegas e professores.
    Fiz trabalhos que me orgulham e evolui imenso.

    Já passei pela fase que estás a passar, todos passamos. Mas criticar a escola é o lugar mais comum que pode existir.

    A soares está cheia de pessoas especiais...
    É ignorância achar esta escola uma escola como as outras.

    Espero que sejas muito boa no que faças para falares assim de uma escola tão maravilhosa como a nossa.
    Eu não tenho telhados de vidro no que toca ao assunto. O meu trabalho não desaprova os meus argumentos.

    ResponderEliminar
  10. Boas respostas a um texto mal-disposto (admito). ;-)
    Pois, prestei mais atenção a uns aspectos do texto do que a outros, e o comentário saiu um bocado do contexto.

    Relativamente ao aspecto de quem anda lá a fazer nenhum, nisso concordo: os alunos também fazem a escola. (Felizmente) ainda não tive o desgosto de conhecer muita gente de tal maneira presunçosa, mas a verdade é que começa com um, dois, quatro, vinte, quarenta e depois torna-se numa infecção. Seja por quem anda na Soares só pelo nome e só para parecerem bons, ou por aqueles que estão em Artes porque acham é a opção de "desenrascanço", a verdade é que haverá sempre uns monos a andarem por lá a gastar espaço na fila já suficientemente grande da cantina e a desperdiçar oxigénio, mas não vou entrar outra vez em pessimismos. Tal como uma ideia negativa aloja-se aos poucos, também uma ideia positiva pode ser reforçada ao longo do tempo.
    Como tal, acho muito bem que tenhas mantido uma postura altiva face a problemas desse género. É difícil manter essa posição quando se é pressionado a ter um complexo de inferioridade desde muito cedo. No meu caso, foi sempre pelas mesmas pessoas. Detesto estar a culpar as minhas falhas em factores externos, mas estar tanto tempo no mesmo tipo de ambiente a repetir o mesmo tipo de reforço negativo acaba por ser comparável a uma lavagem ao cérebro, e isto torna-se muito pior quando ainda se é criança e se está numa fase de aprendizagem. Não consigo assumir o que está errado como se fosse correcto, mas torna-se difícil dar luta. No entanto, aquilo que começa por ser uma tendência para evitar conflitos acaba por se tornar numa atitude de evasão.
    No teu caso, ter convivido com pessoas diferentes em escolas diferentes funcionou a teu favor, como um reforço positivo para conhecer os tiques e os comportamentos-modelo de cada um, e para aprender a lidar com situações diversas. Em vez de te ter esmagado progressivamente até te enfraquecer, deu-te a capacidade de empurrar o peso para cima e de tomar iniciativa para contestar abertamente. De certa maneira, é o extremo oposto, mas tanto tem as suas vantagens como as suas desvantagens.

    Por fim, pressupus algumas coisas que se calhar não devia ter pressuposto, mas a minha intenção não era tanto a de ser um ataque pessoal como a de um ataque de angústia "contra o mundo" (mais uma vez, "texto mal-disposto"). Peço desculpa se o último comentário reflectiu isso.

    ~ Firefox

    ResponderEliminar
  11. Quase que poderia plagiar isto e subescrever, palmas, disseste tudo que alguma vez quis dizer sobre essa escola x)

    ResponderEliminar
  12. Só ca vim fazer vénia ao firefox, great comment.

    ResponderEliminar
  13. só não é formado quem não quer ser. uma pessoa no secundário nunca vai sair artista de lá, a experiência e o carácter ou falta dele é que moldam o suposto artista. Pelos vistos não queres aproveitar a oportunidade que está à tua frente e és burra por isso. Tens tudo o que precisas lá. A escola é feita pelos alunos que lá andam e se achas que está mal, começa a sentir-te mal por isso, porque andas lá e como tal deves fazer o que achas correcto e ainda não te vi fazer nada, pelo contrário.

    ResponderEliminar
  14. Eu por muito que goste de arte, odeio limitações, limitarem a minha expressão artística, eu sei que devia aproveitar mas muitas vezes pergunto-me e para que? Esta conversa já divaga do assunto no qual escrevi.
    Mas pronto, eu sempre tive essa enorme ânsia de liberdade, de fazer o que quero quando quero, então dizem me que no mundo real não é assim, que as coisas não funcionam assim.
    As pessoas depositam muita fé em mim...
    Não passo de uma escrava da minha vontade, mas mais vale sermos escravos da nossa vontade do que a dos outros disseram-me uma vez.
    Tem dias que a minha vontade é criar, é trabalhar, é dar opinião... Outros é não fazer nada sentar-me e apenas ficar a existir e depois existem os outros em que enlouqueço com o que se passa à minha volta e pergunto carradas de vezes porque é que temos que fazer aquilo, porque é que eu tenho por exemplo de tirar apontamentos quando sei perfeitamente que nunca na vida pegarei neles, eu sei como é que eu sou e mesmo que me empenha... Nada melhora.
    Se é que algum dia me empenhei a sério em algo, tudo que faço é de inspiração, sem regras, tudo pode existir desde que se sonhe com isso. Pensar... Pensar já leva a limitações, sonhar não, sonhar torna tudo possível.
    E se eu falhar? Se eu tentar e falhar? Tudo falha.

    Basicamente eu faço o suficiente, nunca quis ser a melhor mas também nunca quis ser deixada para trás. Parece que na soares suficiente não chega, eu em Janeiro estive melhor, empenhei-me mais nas aulas e chega Fevereiro e volto ao mesmo nem é ao mesmo, até me sinto pior.

    Ok, estou a desabafar não me importa, quem quiser leia quem não quiser que se foda.
    Lá está: que se foda. coisa que eu não posso dizer em lugares como numa sala de aula ou que nem se deve dizer e não passa de uma palavra, duma expressão, as pessoas dão demasiado valor às coisas ou se calhar eu é que já desisti de tudo.

    Mas voltando às soares, basicamente ela vai-me ensinar a desenhar/pintar melhor para eu poder criar as minhas próprias coisas e as tecnologias também, mas tudo com bastante limitações... Como se houvesse um padrão do que é válido e não é e como se tivessem definido um padrão de arte, quando arte é a coisa mais subjectiva de sempre.
    E para mim arte é tudo que seja sentido ou faça outros sentirem algo.

    As pessoas depositam demasiada fé em mim... Sempre depositaram.
    Não as quero desiludir mas tenho a perfeita noção que não quero ter o estatuto de boa aluna, eu aprendo, não decoro. Só falo do que entendo e do que não sei tento entender, não decorar.

    Divagação, wrv.

    ResponderEliminar
  15. Vai haver sempre limitações e não é a desabafar que te livras delas e, repara que as limitações, por muito insuportáveis que sejam, ajudam mais do que o que se pensa. Quanto ao que se foda, podes dizer quando quiseres e onde quiseres, mas terás que arcar com as consequências, até porque há ocasiões para tudo e a sala de aula não é uma dessas ocasiões. És um bocado ingénua ao pensar que há liberdade sem precedentes. Liberdade todos temos, mas falta de consciência também há e não é pouca.

    ResponderEliminar
  16. sinceramente desisti, desculpa anónimo, mas cheguei a um ponto que quero lá saber.

    ResponderEliminar
  17. resumindo, és egoísta e fútil. não generalizes, aprende.
    repara, falas mesmo de quê aqui? aparências? no que tu queres? humm, assim vais mesmo conseguir mudar o tal mundo.
    porque não te limitas a falar de ti e no que tu pensas? porque não páras de te queixar e mexes esse cu? não digas mais merda e dá valor à excelente escola onde estás!

    Palmas para a Pepper:
    "Pergunto-me, agora, como é possível teres essa posição. E não pergunto isto por te conhecer, aliás, é precisamente por não te conhecer que me questiono, já que a tua imagem de marca é nada mais que um conjunto de aparências contraditórias e quando tu própria dizes que os bens materiais são as melhores coisas na tua vida."
    E para o Firefox!

    Joana

    ResponderEliminar