sábado, 8 de janeiro de 2011

The spirit flown forever.

O relógio de cuco marcava meia noite, andava de um lado para o outro esperando a hora da morte em que a sua alma voaria para sempre, morto por dentro, vivo por fora... Os seus vasos sanguíneos continuavam a levar o seu sangue em direcção ao seu orgão muscular mais oco, a realidade assustava-o, não existe pior que a realidade, tão crua e fria. O seu coração não passava de um orgão muscular oco na sua verdadeira existência.
Viveu em sonhos durante anos, prendido a memórias fictícias e perdido na irrealidade... A sua ficção valeu-lhe fortuna, o que seria a fortuna sem nada saber de verdade? Apenas sabia o que os outros queriam saber, sabia viver na ilusão do pensamento. A sua busca pela realidade tornou-se infinita, não havia pontas reais no seu mundo e quando se deparou com a realidade, a monotonia preencheu-lhe todas as artérias levando-a com o seu sangue directo ao seu coração, tornando a monotonia sua.
A realidade, sendo ela qual for torna-se o que nós quisermos mesmo havendo uma realidade global que não passaria de monotonia na sua vida, realidade global...
Entre esses pensamentos infinitos o relógio bateu as três da manha e com isso cai no chão, morto e muito menos insignificante do que fora, agora era pedra de gelo onde a realidade interferira com a sua vida, com a sua própria fantasia.
O mordomo entra pelas cinco e meia da manhã puxando o corpo morto pelas escadas acima e atirando-o para o rio da janela do ultimo andar, de modo a que parecesse suicídio, o mordomo não estaria a contar é que ele se levanta-se das profundezas da agua às seis da manha segundo o relógio de cuco. Tudo isto para chegar à conclusão de que a realidade global não é realidade pura e que a sua própria realidade o salvou da morte pois em vida escrevera:

A névoa da noite que encobre

Cospe na morte quando essa acorda
Deixando o inicio do dia
Para um começo de uma nova vida.





5 comentários:

  1. se calhar mas não o consigo descrever totalmente, não consigo ser especifica.
    talvez sejam eles que se renegam, talvez x)

    ResponderEliminar
  2. Siiim :3
    Aha eu sei, mas és a única, e depois tipo eu vou às estatisticas e tenho 160 e tal visitas e ninguém diz nada, fico podre u.u

    ResponderEliminar
  3. Gostava de saber o que pensavas enquanto escrevias isto. existem tanttas possibilidades e tantas maneiras de interpretar o que escreves aqui, que fico intrigado acerca do verdadeiro significado...

    ResponderEliminar