sábado, 13 de maio de 2017

Ocean strength

O verão passou depois das correntes do oceano me terem puchado até à areia, onde fiquei a cuspir os restos das migalhas do nosso amor. Alguém apareceu ao longe enquanto eu me livrava da areia colada ao meu corpo molhado, ao aproximar-se de mim pegou na minha mão e começamos a correr, corremos tanto que eu esqueci-me de tudo o que deixei para trás. Quando dei por mim estava num teatro gigante, onde eu era a ilusionista e todos os meus desejos concretizados à minha frente.
O peito arde, ainda arde, mas não importa porque agora sou a lua da vida de alguém num dia e no a seguir a donzela em apuros, depois faço parte de uma luta de almofadas e no fim do dia tenho um banquete para mim. Os astros alinham-se todos os dias se eu não olhar para trás, no momento em que olho, a sombra está lá e o peito arde mais, continuo a fugir sem folgo, não importa se te amo mais ou menos, importa que te amo porque estás a salvar a minha vida. Os olhos enchem-se de lágrimas ao lembrarem-se do oceano, mas quando olho para a minha frente e te vejo sei que estou a salvo, porque no dia a seguir por alguma razão estamos dentro de um barco no meio de um lago e de seguida a correr pelo campo a dentro. Vivo uma fantasia todos os dias, contigo não à sombras.

Sem comentários:

Enviar um comentário